sábado, 3 de dezembro de 2011

Dá Licença. Tô com pressa

                Acordei cedo com o pensamento onde fui dormir, e segui, porque tinha, porque foi isso que eu escolhi. Tive de driblar para chegar ao meu destino, passei pelo velho, pela moça com a criança e pela senhora de bengala... E essa sensação? Acho que esqueci alguma coisa. Isso tem a ver com aquele pensamento, né? Acho que tem sim. Essa semana vou pegar um gatinho... Mas enfim, fui driblando o mundo com passos rápidos, se largos ou curtos eu não reparei, tava com pressa não prestei essa atenção em mim. Passei reto, não deu pra falar com todo mundo. Beijo no rosto? Não, oi de longe, estou atrasada... Música boa no meu fone, mas me faz ficar ainda mais desatenta ao mundo, muito boa essa musica... Vixi... Passei pela faxineira sem cumprimentar, vou voltar pra dar oi. E esse sentimento de ausência, tá faltando o quê? Quê eu tô esquecendo? Mas tenho que ir, tô com pressa.
                Gente grossa, nem fala olá. Enfim, vamos lá que ainda tem muita coisa pra hoje. Vou pegar uma gato, já falei? Então, essa noite sonhei com pessoas especiais, sonho bom de um tempo gostoso de já passou ou que ainda há de vir, não consegui distinguir. Dá tempo de mais música? Não dessa daí, quero minhas músicas. Vida real batendo na porta, chega de diversão, borá se divertir com o que tem pra hoje que a vida é curta e passa “batido” se a gente não usar, só há uma chance de aproveitar... um segundo nunca mais volta, um sorriso nunca mais será do mesmo jeito pelo mesmo motivo. Que saudades! Mas deixa prá lá, tem tanta coisa ainda... Tô tentando, vou me concentrar em desconcentrar. O que eu quero? O que é mais importante? Qual a importância do momento? E esse texto que começou a se formar desde cedo e não sai da minha cabeça? Esqueci alguma coisa, tô sentindo isso. Tem dia que é mais fácil, tem dia que é mais difícil a noite, mas tenho que seguir, mas o que eu quero de mim?
                E meu gato ehim? Quando chega? Vou pegar um gatinho, já falei? Tô com pressa, dá licença? Tenho que ir, que seguir... Não dá tempo de muita coisa, tem coisa que eu prefiro deixar pra lá, prefiro não entender, não quero questionar. Tem sentimento que eu não vou deixar brotar, desenvolver, sumir e nem vou querer entender. Deixei algo lá trás que deveria estar aqui, eu sinto, mas eu não vou, pelo menos agora, fazer nada pra mudar isso. Dá licença? Tô com pressa.
                Queria que algumas situações fossem diferentes, que os olhos sorrissem como antes, que aquele sorriso voltasse a trazer paz, mas acho que agora, por nada ou por tudo, tanto faz, porque eu tô com pressa.

2 comentários: