sábado, 13 de novembro de 2010

Ultimamente

         Hoje tô assim, ultimamente, diferente, de novo e lá vou novamente escrever dos outros, do mundo, da vida, de mim. É a gente que decide a vida de gente e o rumo que tudo vai tomar, tenho, há uns tempos, procurado observar. Observei um homem todo atrapalhado, diferente, estranho, não como os homens de filme, ele era como os homens dos livros, tão atrapalhado, coitado, o que será que ele tinha? Por que tava tão preocupado? Quem era a mulher que acenava pra ele? O que tinha em sua mala e seus enormes pacotes? Sei lá, nunca saberei. E observei uma menina com um bebe no colo, ela era quase uma criança... Aquele bebe era dela? Ela era feliz? Por que os olhos dela eram tristes? Por que ela carregava aquele ser como um fardo? Isso eu nunca vou saber.
         Observei o céu, meu céu de todo dia, observei canções que me tocam no coração, observei ele, observei meus [poucos] amigos, observei a mais engraçada de todas e o observei o mar num sonho lindo da noite de hoje. Falei no telefone, dormi, não fiz nada, acordei, me zanguei, chorei, gargalhei, orei. Tenho vivido [bem] daqui do meu lado do jardim.
         Conclui um monte de coisa, não conclui nada... tão in[tensa] em boa parte da vida. Pensei... parei... continuei. Não entendi tudo, não entendo no todo o mundo. É que às vezes parece que tá tudo conspirando contra nós, parece que o mundo odeia a gente, parece que é tudo de propósito pra nos atingir, e talvez as vezes seja, e daí? Que é que tem? Vou superar tudo isso e rir disso tudo daqui do meu lado colorido do jardim... e vou dizer a cada dia concluído, bom pra mim, venci.

2 comentários:

  1. Que pessoa extraordinária é você, Jacqueline. Rica em experiências, intensa ao vivê-las. Como você escreve poeticamente bem!? Não foi você quem escolheu o jornalismo, foi o jornalismo que te acolheu perfeitamente. E não dá para saber onde vc é melhor: se na escrita ou na televisiva. Você deveria escrever um livro. Eu te falo isso já há algum tempo, mas é sério: raras pessoas escrevem tão bem, tão poético e de sentimentos sinceros e livres como você.

    ResponderExcluir